sexta-feira, 1 de julho de 2011

Alimentação Saudável - Lutando contra a maré II

Olá Amigos parkinsonianos,

Trabalhei na HP (Empresa de serviços em tecnologia da informação) mais conhecida pelas suas impressoras, durante 5 anos. Foram anos de muita aprendizagem e trabalho duro. No último ano e meio que estive lá, mudei de função, passei por momentos estressantes. Isso não é novidade para quem trabalha com gerenciamento de rede de computadores (não sei se têm alguém lendo que trabalhe nessa área).

Minha rotina era acordar 6:30 da manhã e voltar as 17:00. Nada incomum. A não ser uma ligação as 19:00 reportando um problema que voce deveria resolver imediatamente ou indo na empresa ou se fosse possível rermotamente. Esse telefonema se repetia as 21:00, as 00:00, as 03:00 e etc. Eu consegui ficar um dia inteiro em casa normalmente no domingo e olhe lá. Em muitas ocasiões entrava numa quinta-feira para trabalhar e só voltava no domingo, devido a algum problema grave que precisava ser resolvido.

Como eu disse, não é privilégio meu. Quem trabalha com isso sabe como é trabalhar pressionado.
Durante todo esse período, como devem imaginar, não tinha muito tempo, inclusive para me alimentar direito. Almoçava quando dava. Se houvesse tempo eu comia alguma coisa no meio do dia. Me sustentava a base de lanches em horário sempre diferentes. Era viciado em tody e coca-cola. Aliás sentia até dependência de coca-cola. Não consegui passar 1 dia sem tomar uma latinha. Arroz e feijão era só em casa quando ficava pra jantar. As vezes a refeição que me sustentava durante a madrugada era uma caixa de nugtes fritos com batatas fritas e lógico um copo entupido de gelo e... coca-cola.

E mais uma vez tenho o que agradecer ao parkinson...

Depois do meu diagnóstico em que comecei a querer mudar minha qualidade de vida, pois tenho em mente que devemos aproveitar o máximo possível para lutarmos contra a maré e a melhora do dia a dia retardam os sintomas, comecei a me exercitar. Mas só isso não ia adiantar. Se o meu objetivo era melhorar a qualidade de minha saúde tinha que mudar meus hábitos alimentares. Resolvi procurar uma nutricionista. E foi a melhor coisa que eu fiz.

Voce pode estar pensando: Mas eu não preciso regrar minha comida. Eu não tenho sobrepeso. Só me faltava essa, tremo e ainda tenho que parar de comer o que eu gosto.

Não é isso. As pessoas têm uma idéia errônea que nutricionista é recomendado para pessoas com sobrepeso ou tendência a tal. Eu vou na nutricionista e como de tudo. Não tenho restrição a nada. Mas agora eu sei a maneira correta de fazê-lo. Eu quando fui na nutricionista pesava 56 kilos. Eu era o que muitos chamavam de "sortudo" pois comia de tudo mas não engordava 1 grama. As vezes tinha impressão que quanto mais comia mais emagrecia. Agora imaginem, um homem de 1.82 de altura com 56 kilos. Eu parecia um boneco de Olinda.

Eu fui na nutricionista pois estava iniciando atividades físicas e queria me alimentar bem, queria ter uma alimentação saudável. Caros, não adianta fazer exercícios físicos diariamente e não se alimentar de forma correta. Um depende do outro. São partes de um mesmo objetivo. você nào conseguirá um corpo saudável sem uma alimentacào correta.

Engordei 20 kilos em 10 meses comendo de forma saudável. E isso refletiu no meu humor, na minha disposição, no meu condicionamento físico e mental e vários outros problemas gastros que tinha que não apareceram mais.

Existem vários estudos e livros que mostram que podem existir alimentos que ajudam a lidar com certas doenças. Nào sei se isso é o caso do parkinson mas de alguma maneira é benéfico para todos.

Para quem acha que se for no nutricionista comerá menos, voces se enganam. Lógico, os "hábitos" alimentares mudarão (para melhor) mas voce concerteza não passará fome.

O que eu quero dizer é que temos de dar qualidade a nossa vida, a hora é agora. Não espere sempre a segunda-feira que vêm. Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Melhorar a qualidade de vida em pequenas coisas, nesse caso a alimentação, somará mais benefícios para lidarmos com a doença.

Voce já ouviu falar que "você é o que você come?"      

...Acredite nisso!!!




.

Um comentário:

  1. Olá Miguel!
    Incrível o seu relato.
    Fui à nutricionista para emagrecer 20 kg e tudo o que aprendi estou colocando em prática aqui em casa.
    Engraçado que falo todos os dias ao meu marido sobre comer bem e o significado de comer direito para que os sintomas do Parkinson sejam adiados ou os que já existem melhorados.
    Já que não existe (ainda) a cura podemos sim viver melhor retirando da natureza o remédio (frutas, verduras e legumes) que Deus nos deu.
    Acho que assim tomos os medicamentos farão melhor efeito. Somados a reeducação alimentar, os exercícios físicos diários só ajudam.

    ResponderExcluir