A ordem do caos

Quando me vejo em situações como ocorrera no aeroporto em uma de minhas viagens me lembro da frase de Platão que diz: "Não é permitido irritar-nos com a verdade".

Oque aconteceu no aeroporto? Você está se perguntando. Melhor, Você está "me" perguntando.

É sabido de todos os que possuem parkinson, acredito que não sou unanimidade, de que quando estamos ansiosos ou ficamos timidos ou estamos com vergonha de algo, o tremor e a falta de coordenação aparecem subtamente. Os remédios podem estar em dia, voce pode estar super tranquilo e relaxado e todos os sintomas inexistentes, mas basta apenas uma situação constrangedora para tudo vir a tona, pelo menos no meu caso.

Confesso que ainda estou aprendendo a lidar com essas situações, a controlar a minha timidez. A não ficar ansioso quando acho que tem alguém me observando.

Alguém me observando... Essa é uma questão muito peculiar. Sempre quando um tremor acontece ou uma lentidão e falta de coordenação é perceptível fico observando se tem alguém me vigiando. É impressionante como sempre tem alguém fitando-me quando submerge algum sintoma. E quando percebo que o observador continua fixo, é nesse momento que fico mais nervoso e meus tremores viram uma metralhadora incansável. E quanto mais penso em controlar mais ele fica incontrolável.

Mas Rui, voce tem vergonha da doença? Não é isso que voce diz nas suas últimas histórias.

Não amigos, não tenho vergonha da doença. O que tenho é uma inexplicável aversão as pessoas que perguntam se "voce está passando mal", se eu quero "me sentar", se "eu preciso de ajuda". Mas não é o sentimento de carinho, preocupação e de solidariedade que deixam assim, mesmo porque gosto desses sentimentos, e sim o sentimento de pena que aflora em alguns quando digo que possuo parkinson.

Como já disse não possuo problemas nenhum em dizer sobre a doença mas quando a pessoa faz uma cara de "coitadinho", isso me deixa sem palavras. Não posso julgar ou evitar, é uma reação inconciente do nosso próximo.

Já notaram que quando voce encontra alguém conhecido que já sabe que voce possui parkinson ou ficou sabendo por outrem, essa pessoa já saúda voce olhando fixamente para o seu braço? E nas conversas subsequentes sempre dá uma olhadinha para baixo para observar se vai notar alguma coisa diferente. E eu fico pensando o que esta pessoa está querendo. Deve estar pensando: "Treme, treme, treme"... transparecendo que está torcendo para ver algum sintoma.

Em uma de minhas andanças uma linda e querida senhora percebeu o meu tremor e perguntou:

- Voce está passando mal?
Não. Disse eu, porque?
- Porque voce está tremendo?
Eu tenho parkinson, respondi.
- Coitadinho, disse a linda e simpática velhinha com uma feição de vô querendo abraçar o seu netinho e com um sorrriso que diminuia lentamente.
E eu disse:
A senhora quer me levar pra casa e me colocar na sua varanda?
Rimos juntos.

Bem, volltando ao assunto inicial estava eu no aeroporto na máquina de raio X. Não sei o que acontece comigo mas quando tenho que colocar todas as minhas coisas naquela esteira me dá uma sensação que todos estão me observando e então meus sintomas aparecem. O relógio fica difícil de tirar, o tenis também e se o detector de metais apitar aí "braços pra que te quero." Tenho que fazer um esforço para não deixar que meus movimentos involuntários me atrapalhem nessa passagem.

Não há motivos para isso, eu sei. Não existe problema nenhum. Mas normalmente isso acontece quando eu estou com a medicação fora do horário ou já estou ansioso por outra coisa. Juntando o fator esteira o problema se complica.

Nessa ocasião, a pessoal da esteira visualizando o meu nervosismo pediu para abrir a mala que estava levando na mão. Não tinha nada de especial dentro dela mas a funcionária do aeroporto, estranhando e claramente inventando uma desculpa de que possuia um líquido impróprio pediu para visualizar tudo o que estava dentro. Perguntei:

- O que voce está procurando? (Sendo simpático no intuito de ajudar)
Um liquido, disse ela.
- A única coisa que tenho aqui líquido, como a senhora pode ver, é o meu óleo para o rosto. Voce acha realmente que eu sequestraria um avião com 180 passageiros mais a tripulação e renderia o piloto com o meu perigoso e mortal óleo de aloe vera Jequiti para o rosto? Perguntei.
Ela rindo, disse:
- Não, pode passar senhorrrrrr... (e esperou que eu completasse a frase com o meu nome)
E eu disse:
- Muhammade Ali.

Amigos, existem situações que não podemos evitar e sabemos que vamos passar por isso sempre. Não adianta reclamar, ou invocar o mal ou soltar injurias ou praguejar em tais situaçoes. Vamos ter que enfrentá-las sempre. Então temos que saber lidar com a situação com antecedencia. Salomão já dizia: "O sábio vê a calamidade e passa a esconder-se". No caso, esconder aqui é se precaver de tal situação.

Hoje quando vou ao aeroporto já levo na mão uma bolsa com todos os meus objetos, dinheiro, papeis que estavam no bolso, moedas. Já tiro o relógio com antecedencia e coloco nessa bolsa juntamente com óculos de sol. Tudo pra chegar na esteira e não ter que ficar tirando tudo dos bolsos da calça e da camisa. Apenas pego a bolsa e mando para o raio X, sem estress e sem problemas.

Não evite a situação, não se anu-le. Apenas aprenda a lidar com elas a sua maneira.
Não é porque certas coisas são difíceis que nós não ousamos. É justamente porque não ousamos que tais coisas se tornam difíceis.

Comentários

  1. É isso ai amigo, força coragem e acima de tudo muita fé, pois a ciência esta chegando lá. Sei muito bem tudo o que relata o preconceito esta enraizado na sociedade e no seio de nossas famílias. É para isso que estamos aqui colocando o dedo na ferida e tentando mostrar ao grande publico o que é Parkinson.
    Parabéns, abraços fraternos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Um Barco a Motor precisa usar os Remos?

Eu rabisco o sol que a chuva apagou

Não sou mais criança... a ponto de saber tudo!!!