domingo, 11 de setembro de 2016

A insistência em ser barco a motor e insistir em usar os remos

Quando mudamos nos tornamos mais fortes. Essa é uma verdade que eu sempre discursei mesmo antes do aparecimento do Parkinson. Eu acredito fielmente que toda a mudança é pra melhor. 

Sim, exatamente. Voce deve  estar pensando:

- Haaa  tá, até parece, nem toda a mudança é pra melhor. 

Quando digo que toda mudança é para melhor eu digo em questão pessoal em crescimento, madurez, sabedoria. Sempre, todas as mudanças, nos fortalece. Eu vou ainda mais longe: Toda a mudança é para melhor.
Como disse Darwin: Sobrevivem apenas aqueles que se adptam-se a mudanças.

Quando nos confrontamos com situações difíceis ou quando somos atingidos pelos reverses da vida temos a tendência de aceitar a situação e continuar em frente. As vezes enfrentando uma depressão ou mesmo fingindo e não reagindo ao problema que te corroi.

É isso que temos de fazer. Quanto antes nos adaptarmos as mudanças mais será fácil de evoluirmos para o próximo estágio da nossa vida.
Se você foi diagnosticado com Parkinson não entre em conflito com Deus ou com o universo conspirador ou pragueje sobre seus amigos. Tente entender que a vida continua. Que o mundo não vai parar para sua doença. O transito vai continuar a existir, o padeiro da esquina da sua casa vai continuar a fazer pão todos os dias, a sua secretária não vai deixar de sempre dar um bom dia risonho mesmo sabendo que é falso. O mundo continua rodando.

Por isso quem é diagnosticado com o Parkinson passa certamento no processo que chamamos de " 5 estágios do luto". 

1 -  Raiva
2 - Negação
3 - Barganha
4 - Depressão
5 - Aceitação

Certamente voce passará por esses estágios. E uma coisa que é muito importante não confunda "aceitação" com "depressão". Nâo ache que talvez o fato de voce não se importar com nada seja um quadro de "aceitação". 

Trate sua depressão.

A depressão é um problema fisico e neurologico. É tratado com remédios. E não me venha com a "historinha" de que voce já toma muitos remédios para o Parkinson e não vai tomar mais um remédio. 

Trate sua teimosia

Não pare de tomar medicação e tome-a nos horários indicados pelo seu médico. Eu compreendo que voce acha isso uma bobagem, mas não é. Seguir com a medicação correta e nos horários é um grande fator para a estagnação da doença. 

Trate de sua soberba

Não acredite  que voce sabe tudo. Não mude a medicação ou ache que sua doença não está evoluindo e que voce pode diminuir a medicação. A modificação e a mudança do processo sem consultar seu médico pode lhe trazer consequencias irreversíveis.

Eu sei, eu sei. É difícil fazer. Falar é fácil. Mas lembrem-se: você se tornará mais forte se adaptar-se a mudanças.

O Parkinson com o tempo lhe dá a oportunidade de se adptar com várias situações. Eu já tenho problema de coordenação o que as vezes faz com que o meu toque de violão seja indecifrável. Quando isso acontece saio do violão e vou para a meia lua (instrumento igual um pandorim) porque é muito mais fácil para quem está tremendo tocar um pandeiro. Tenho puxões na rosto, que são movimentos involuntários, que eu disfarço como se fosse um bocejo. Devido a enrijecimento das pernas que aconteceu nesses últimos meses não consigo jogar futebol, mas consigo ser um ótimo goleiro.

Infelizmente problemas de limitação vão surgir e talvez você deixe de fazer coisas que antes gostava de fazer.

Aqui eu friso: Não estou dizendo que você deve desistir de fazer o que você gosta por causa do Parkinson. Estou querendo dizer que o seu mundo não precisa parar porque você não consegue mais fazer isso ou aquilo. 

Se você já lutou, já enfrentou corajosamente os desafios e mesmo assim não conseguiu, não se entregue. Não deixe seu mundo parar porque você não consegue fazer algo. Faça alguma coisa que compense isso e lhe deixe feliz.


Citando Shakespeare: Plante o seu jardim e faça o seu trabalho, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.

Um comentário:

  1. Olá, Miguel!
    Parabéns pelo texto!
    Meu irmão, hoje com 65 anos (cabeça de 30),que é publicitário,compositor, foi diagnosticado com DP há dois anos, e a primeira médica que o atendeu, receitou-lhe ALTAS DOSES DE PROLOPA e outros fortes, sendo que os sintomas eram brandos. Recentemente, havendo piorado, a atual médica ficou CHOCADA com a medicação inadequada que ele vinha consumindo, indicada pela "tal doutora". Agora ele já criou resistência a alta doses dos remédios, que talvez ele tivesse que tomar só daqui a algum tempo... Ele tem câimbras e dores terríveis na perna esquerda. Sem corujice, ele é tão talentoso, culto,inteligente, e anda muito desanimado, falhando na academia, onde fazia fisioterapia e bicicleta.Conclusão:está piorando... MIGUEL! Gostaria muito que ele te conhecesse! Vi que você tb toca violão etc... PENSEI EM A GENTE CRIAR UM GRUPO DE PESSOAS COM DP, QUE SÃO ARTISTAS E APRECIAM...Já que novidades, novos Projetos (viáveis) são altamente estimulantes (geram endorfinas!), o que é que você pensa sobre esta ideia? Posso aguardar seu retorno?! Agradeço-lhe, desde já. Abs,Olímpia.

    ResponderExcluir